quinta-feira, 20 de abril de 2017

Venezuela: Nações Unidas pedem que governo e oposição dialoguem

Secretário-geral António Guterres está preocupado com situação no país e pede todo o tipo de esforço para diminuir tensões e evitar novos confrontos; pelo menos três pessoas foram mortas durante protestos contra a presidência na quarta-feira.
Pessoas enfrentam fila por cinco horas para comprar pão em uma pequena padaria em Cumaná, na Venezuela. 

Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque.

As Nações Unidas estão preocupadas com a situação na Venezuela. O secretário-geral António Guterres emitiu uma nota nesta quinta-feira, pedindo todo o tipo de esforço possível para a diminuição das tensões e para prevenir novos confrontos no país.

Em Nova Iorque, o porta-voz Stephane Dujarric explicou que a ONU pede ao governo da Venezuela e à oposição para "reativarem o diálogo, especialmente sobre questões críticas, como equilíbrio de poder entre as várias esferas do Estado; calendário eleitoral; direitos humanos; justiça e a situação socioeconômica do país".

Mortes

O secretário-geral pede também que as partes reduzam a polarização e criem as condições necessárias para resolver os desafios do país, em benefício do povo venezuelano.

Segundo agências de notícias, pelo menos três pessoas foram mortas em protestos ocorridos na Venezuela nessa quarta-feira. Os opositores do presidente Nicolás Maduro pedem novas eleições presidenciais.

O Escritório de Direitos Humanos da ONU já tinha recebido a confirmação de quatro mortes durante protestos ocorridos nos dias 7, 10 e 11 de abril.

MP venezuelano confirma 3 mortos e 62 feridos nos protestos de ontem

O Ministério Público da Venezuela confirmou hoje (20) que, durante os protestos registrados ontem (19) na área Metropolitana de Caracas e em 14 estados do país, morreram três pessoas, 62 ficaram feridas e 312 foram detidas. As informações são da Agência EFE.
Os protestos de ontem foram registrados em Caracas e em 14 estados da Venezuela Agência Lusa/EPA/Miguel Gutierrez/Direitos Reservados.
Por meio de um comunicado, a procuradoria lamentou a morte de Andreina Ramírez Gómez, de 23 anos, que morreu ao receber um tiro quando transitava por um local próximo a uma concentração opositora no estado de Táchira, e a do adolescente Carlos José Moreno, de 17 anos, que recebeu um tiro na cabeça quando passava por uma das manifestações em Caracas.

A nota também lamentou a morte do segundo sargento da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) Niumar José San Clemente Barrios, atingido por um franco-atirador no município de Los Salias, uma cidade-satélite da capital venezuelana, segundo o defensor público Tarek William Saab.

De acordo com a procuradoria, os 312 detidos serão apresentados perante os tribunais de sua jurisdição durante as próximas horas.

Dezenas de milhares de pessoas protestaram ontem contra e a favor do governo, por ocasião do feriado no país pela comemoração dos 207 anos de um evento popular, considerado como o primeiro passo para a independência da Venezuela da Espanha.

Da Agência EFE.

Lula tem a preferência de 30% do eleitorado brasileiro, afirma Ibope

Pesquisa inédita divulgada nesta quinta-feira (20) confirma o favoritismo do ex-presidente Lula para as eleições de 2018.
Segundo o Ibope, Lula é o presidenciável com maior potencial de voto para as eleições de 2018. Foto: Ricardo Stuckert.
O Ibope divulgou nesta quinta-feira (20) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem a preferência de 30% do eleitorado brasileiro para as eleições de 2018. A pesquisa, publicada pelo jornal 'Estado de São Paulo', revela que Lula voltou a ser o presidenciável com maior potencial de voto entre nove nomes testados pelo instituto. 

Segundo a pesquisa, 30% dos eleitores disseram que votariam nele com certeza e 17% afirmaram que poderiam votar. "Os que votariam com certeza e quem poderia votar em cada nome testado pelo Ibope, Lula chega a 47%; Marina Silva (Rede) tem 33%; José Serra (PSDB), 25%; Joaquim Barbosa, 24%; Geraldo Alckmin e Aécio Neves, 22% cada; Ciro Gomes (PDT), 18%; Jair Bolsonaro (PSC), 17%; e João Doria (PSDB), 16%." 

Em relação aos três principais nomes do PSDB, a pesquisa revelou que o potencial de voto diminuiu ao longo do último ano e meio. "Desde outubro de 2015, a soma dos que votariam com certeza ou poderiam votar no senador Aécio Neves (PSDB-MG) despencou de 41% para 22%. O potencial do senador José Serra (PSDB-SP) caiu de 32% para 25%, e o do governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) foi de 29% para 22%. Os três tucanos aparecem na pesquisa com taxas de rejeição superiores à de Lula: 62%, 58% e 54%, respectivamente.", divulgou o Ibope.

A pesquisa foi realizada entre os dias 7 e 11 de abril, com 2.002 entrevistas face a face, em 143 municípios de todas as regiões do Brasil. A margem de erro é de dois pontos porcentuais, para mais ou para menos, com intervalo de confiança de 95%. 

CUT/Vox Populi

Na última terça-feira (18), a pesquisa CUT/Vox Populi revelou que se as eleições presidenciais fossem hoje, Lula seria eleito em primeiro turno em todos os cenários pesquisados. Segundo a pesquisa, Lula tem de 44% a 45% dos votos válidos contra 32% a 35% da soma dos adversários nos três cenários da pesquisa estimulada.

Se concorrer à presidência da República em 2018, Lula ganhará de Aécio Neves/PSDB (15%), Marina Silva/Rede (11%), Jair Bolsonaro/PP (7%) e Ciro Gomes/PDT (5%). Se o PSDB trocar Aécio por Geraldo Alckmin, Lula ganha também – 35% contra 12%. 17% não declararam em quem vão votar e entraram na coluna de ninguém/branco ou nulo. Outros 10% não souberam ou não quiseram responder.

Segundo a pesquisa, 42% dos entrevistados disseram que Lula foi o melhor presidente do Brasil, 19% não sabem ou não responderam, 12% acham que nenhum foi bom, 9% citaram outros, 2% apontam José Sarney e Dilma Rousseff e 1% Itamar Franco.

Não é piada: Aliado de Cunha ganha cargo para 'exigir respeito' à Câmara dos Deputados

Sputnik Brasil - O deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) ficou famoso no ano passado pela sua forte atuação na defesa do então colega e amigo pessoal, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ex-presidente da Câmara dos Deputados e hoje condenado a 15 anos por seu envolvimento em crimes apurados pela Operação Lava Jato.



Nesta quarta-feira, Marun recebeu outra missão: a de defender a imagem dos parlamentares e da Câmara. São essas as principais atribuições do cargo de procurador parlamentar, que o peemedebista assumiu, em substituição à deputada Jozi Araújo (PTN-RN). A indicação de Marun partiu do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

“Nós vivemos em um tempo de acusação fácil e de ofensa corriqueira. E nós, deputados, o somos em função de delegação popular e por isso faz-se necessário a exigência de respeito”, afirmou Marun ao assumir o cargo.

Outras funções do posto dizem respeito à “representação de parlamentares e da Câmara, como um todo, na defesa judicial ou extrajudicial de questões que afetem a honra de deputados e da Câmara”, complementou o deputado, que também foi notícia ao fazer uma “visita natalina” a Cunha, que está preso desde outubro em Curitiba.

Gaúcho de nascimento, Marun fez toda a sua carreira política em Mato Grosso do Sul. Atualmente ele preside a Comissão Especial da Reforma da Previdência.

Ministério Público vai investigar Holiday por patrulha em escolas

Ministério Público de São Paulo acatou denúncia do deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL) e determinou abertura de inquérito civil para investigar a legalidade das visitas do vereador paulistano Fernando Holiday (DEM) a escolas municipais da capital paulista; no ofício em que determina a abertura de investigação, o MP-SP cita denúncias de que o vereador teria intimidado professores nesses encontros e afirma que "a avaliação de conteúdos ministrados em sala de aula não se encontra entre as competências de fiscalização do legislativo"

SP 247 - O Ministério Público de São Paulo acatou denúncia do deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL) e determinou abertura de inquérito civil para investigar a legalidade das visitas do vereador paulistano Fernando Holiday (DEM) a escolas municipais da capital paulista.

No ofício em que determina a abertura de investigação, o MP-SP cita denúncias de que o vereador teria intimidado professores nesses encontros e afirma que "a avaliação de conteúdos ministrados em sala de aula não se encontra entre as competências de fiscalização do legislativo".

O parlamentar publicou um vídeo no começo deste mês em que dizia ter ido aos colégios para analisar se havia "doutrinação" no conteúdo ensinado.

Esta é a segunda investigação aberta pelo Ministério Público de São Paulo contra o vereador neste ano – a pedido do órgão, a Polícia Federal apura uma denúncia de que ele teria usado caixa dois em sua campanha.