sexta-feira, 13 de maio de 2016

Lula quer frente ampla para unificar esquerdas

Diante do processo de impeachment de Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula articula a criação de uma frente ampla de esquerda, com apoio dos movimentos Brasil Popular e Povo Sem Medo, além de juristas, intelectuais, artistas e partidos de esquerda; Lula passou parte da tarde de ontem em conversas com líderes da CUT, MST e CTB, e de outros movimentos populares; ele pretende viajar pelo país, em atos organizados pelas sindicais: "O partido entendeu que não pode mais agir sozinho nem pode ser o condutor da luta", afirmou o ex-ministro Gilberto Carvalho, braço direito do ex-presidente; Lula ainda é a aposta do PT para disputar em 2018
247 - Diante do processo de impeachment de Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula articula a criação de uma frente ampla de esquerda, com apoio dos movimentos Brasil Popular e Povo Sem Medo, além de juristas, intelectuais, artistas e partidos de esquerda.

Lula passou parte da tarde de quarta-feira em conversas com líderes da CUT, MST e CTB, e de outros movimentos populares, no momento em que o Senado votava o afastamento de Dilma. Ele pretende viajar pelo país, em atos organizados pelos movimentos, em reunificar as forças de esquerda. 

"O partido entendeu que não pode mais agir sozinho nem pode ser o condutor da luta", afirmou o ex-ministro Gilberto Carvalho, braço direito do ex-presidente. Lula ainda é a aposta do PT para disputar em 2018.

Leia aqui reportagem de Cristiane Agostine.

Nenhum comentário:

Postar um comentário