segunda-feira, 23 de maio de 2016

Romero Jucá é fonte da Embaixada dos EUA no Brasil, revela Wikileaks

Senador do PMDB se reuniu em 2009 na Embaixada dos EUA em Brasília e informou diplomatas sobre disputas em torno das eleições presidenciais

Mais um integrante do governo golpista de Michel Temer está envolvido em escândalos. Nesta segunda-feira (23), foi a vez do ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB-RR). Além da divulgação de áudios que confirmam tese de que o afastamento da presidenta eleitaDilma Rousseff tinha como objetivo abafar a Operação Lava Jato, já foi revelado que o senador é uma das fontes da Embaixada dos EUA no Brasil. É o que afirmou a conselheira da embaixada dos EUA em Brasília, Lisa Kubiske, segundo informação divulgada pelo Wikileaks, em 21 de outubro de 2009, e noticiada pela Agência Pública.

Jucá disse, em conversa com a Embaixada, que, embora o PMDB tivesse fechado aliança com o PT para disputar eleições presidenciais de 2010, ele preferia o nome do senador Aécio Neves (PSDB-MG) ao de Dilma, então ministra-chefe da Casa Civil.

As informações constam em arquivo revelado pela plataforma Wikileaks em novembro de 2010. Os relatórios revelados pelo Wikileaks foram enviados em 10 de setembro de 2010 à então secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton.

Em 23 de março de 2005, John Danilovich, então embaixador dos EUA no Brasil, escreveu um pequeno perfil de Jucá, informando que o peemedebista “tem sido alvo de diversas acusações de corrupção ao longo dos anos“. Narrou que Jucá havia desviado verba de um fundo de assistência social de Roraima, retirou recursos públicos destinados a projetos de construção civil no mesmo estado e permitiu desmatamento em terras indígenas enquanto presidente da Funai.

De acordo com o relatório da Comissão Nacional da Verdade, Jucá é “responsável pelo massacre de centenas de yanomamis” em consequência das epidemias levadas pelos garimpeiros que entraram em terras indígenas com a autorização do então presidente da Funai. Recentemente o senador também apresentou projetos de lei flexibilizando o licenciamento ambiental e abrindo as terras indígenas à exploração econômica.

Da Redação da Agência PT de Notícias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário