quarta-feira, 30 de março de 2016

Profissionais do cinema lançam manifesto pela democracia

Entre os profissionais que assinam o manifesto estão Wagner Moura, Paulo Betti, Karim Ainouz, Jorge Furtado, Anna Muylaert, Tata Amaral, Alê Abreu, Gregório Duvivier, Laís Bodanski, Tizuka Yamazaki, Leticia Sabatella e Silvia Buarque

Por Akemi Nitahara, da Agência Brasil
Profissionais que trabalham com cinema e no setor de audiovisual brasileiro fizeram ontem (29) um ato na Central do Brasil chamado Cinema Brasileiro Pela Democracia. Os participantes são contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff e defenderam a manutenção do Estado de Direito, a democratização da mídia e das telas para a exibição de mais filmes nacionais.

No paredão do prédio da Central, os organizadores projetaram montagens, memes, charges e manifestações de apoio ao movimento, além de falas dos participantes.

Para o diretor e roteirista Vinícius Reis, um dos organizadores do ato, o Brasil está presenciando um golpe neste momento, com um processo de “impeachment sem base jurídica”. “A gente está em uma vigília pela democracia. No momento a gente está vivendo um golpe no país. Há uma grande mobilização dos setores e dos artistas. Tem outros atos do cinema acontecendo em outros estados.”

De acordo com Reis, a escolha da Central do Brasil para a mobilização é simbólica. “A Central é um local bom de mobilização, é um cenário, uma locação popular, todo o Rio de Janeiro está passando por aqui nesse final de expediente, no final do dia de trabalho. E o cinema, nos últimos ano, é uma arte que se tornou mais popular e tem mobilizado bastante a sociedade. Você tem cineclubistas de comunidades, de periferias”.

Reis informou que o objetivo do ato também é chamar para a Jornada Nacional em Defesa da Democracia, marcada pela Frente Brasil Popular para quinta-feira (31). “Nós vamos participar também [da jornada do dia 31]. Tem vários atos, ontem teve o do teatro, saindo daqui tem o ato da música, do samba em Copacabana. São pequenos atos convocando para o dia 31, é uma grande vigília pela democracia, ou o que resta dela”.

Outra organizadora do ato, a produtora Vania Catani, lembra que o setor de audiovisual lançou um manifesto na semana passada, que já conta com mais de 3,2 mil nomes. “A gente é pela democracia, pelo Estado de Direito, que a Justiça não seja partidária e seja justa, que as coisas sejam analisadas para todos de igual maneira. É o que eu acho. O manifesto já tem mais de 3 mil nomes e o grupo do Facebook tem mais de 5 mil nomes”, disse a produtora.

Além da “defesa da democracia e da legalidade” e contra “arbitrariedades promovidas por setores da Justiça”, o texto do manifesto aborda pautas setoriais e denuncia o que chamou de “enganosa narrativa” que vem sendo construída. “Televisões, revistas e jornais, formadores de opinião criaram uma obra distorcida, colaborando para aumentar a crise que o país atravessa, insuflando a sociedade e alimentando a ideia do impeachment com o objetivo de devolver o poder a seus aliados. Tal agenda envolve desqualificar as empresas nacionais estratégicas, entre as quais se insere a emergente indústria do audiovisual”, diz o manifesto divulgado pelos profissionais do cinema e audiovisual.

Entre os profissionais que assinam o manifesto do audiovisual e do cinema estão Wagner Moura, Paulo Betti, Karim Ainouz, Jorge Furtado, Anna Muylaert, Tata Amaral, Alê Abreu, Gregório Duvivier, Laís Bodanski, Tizuka Yamazaki, Leticia Sabatella e Silvia Buarque.

Um comentário:

  1. Por desinformação muitos de nós passamos a infância sendo catequizados para saber a biografia manipulada de cada general presidente, assistimos durante todo esse tempo nossa mídia agarrada ao saco do poder sempre com seu partidarismo conveniente e conivente, nunca em nossa história assistimos, antes, políticas sociais implantadas, hoje a mídia astutamente está atuando no alguns estamos chamando de "ódio jornalismo" insuflando a sociedade contra si própria, e ninguém está fazendo nada. Mas não estamos fazendo nada porque não sabemos que não sabemos de nada, muitos são os que estão gritando por um impeachment golpista porque a mídia diz que Dilma tem que sair, não importa se há motivo, e se há não interessa provar. precisamos muito destas manifestações, mas precisamos muito mais de nos apoderamos daquilo que a democracia nos garante a liberdade e garantia dos nossos direitos, tirar a presidente Dilma como estão querendo é um retrocesso, é principalmente o esfacelamento de tudo que conquistamos até aqui. É nessa luta que nós profissionais do audiovisual e de todas a manifestações artístico-cultural devemos focar nossos esforços neste momento.

    ResponderExcluir